Os museus das bruxas



Dos Estados Unidos à França, conheça os maiores museus de feitiçaria do mundo.

Se você pensa que a festa do Dia das Bruxas ou Halloween, festejada todos os anos no dia 31 de outubro, é invenção recente, saiba que a data já era comemorada pelos povos celtas, desde o século 6 antes de Cristo.

O festival Samhain marcava o fim do verão no hemisfério norte e era celebrado com muita música e dança.

De estátuas de cera das bruxas de Salem, nos Estados Unidos, à maior coleção de artefatos de feitiçaria do mundo, na Inglaterra, conheça os maiores museus de feitiçaria do mundo.


Estados Unidos

Salem Witch Museum


Salem é conhecida mundialmente como a cidade das bruxas, ponto de peregrinação dos seguidores dos rituais Wicca. Em outubro, pipocam eventos e festas por todos os cantos. Mas o Salem Witch Museum merece uma visita mais demorada.

Por fora, o prédio de tijolinhos aparentes lembra um castelo. Durante o ano de 1692, aconteceu ali uma verdadeira caça às bruxas. Cerca de 180 pessoas foram interrogadas e presas. Dessas, 19 foram enforcadas - a maioria, garotas adolescentes. Mas nada foi provado contra as supostas feiticeiras.

Estátuas de cera em tamanho natural e vestidas com roupas do período colonial recriam o ambiente da época enquanto uma voz em off narra todo o episódio, da perseguição aos julgamentos.


Inglaterra


Museum of Witchcraft

O Museu de Bruxaria em se gaba de abrigar a maior coleção de artefatos de feitiçaria do mundo, encontrados até em escavações arqueológicas.

Boa parte deles foi reunido por seu fundador, Cecil Williamson, que se dizia bruxo e abriu o local na década de 1950. A biblioteca reúne quase quatro mil livros de ocultismo.

Há amuletos de pedras decorados com símbolos mágicos, espelhos para rebater energia negativa e bonequinhos vodus feitos com fios de cabelo humano – que podiam ser usados tanto para maldição quanto para cura.

Sem dúvida, o mais curioso de todos é uma cadeira encontrada no século 17, usada para descobrir se o acusado era realmente feiticeiro. Se a pessoa fosse mais pesada que uma Bíblia, era considerada inocente.


Espanha


Museu de las Brujas



Pelos três andares do prédio, em Zugarramurdi (Navarra), é possível fazer uma viagem até 1610, quando 300 pessoas foram acusadas de bruxaria pela Inquisição – 12 foram queimados na fogueira e as demais foram inocentadas, presas, perderam suas propriedades ou foram banidas da cidade.

Apresentações audiovisuais, espaços interativos táteis, objetos e imagens da época explicam os costumes dos antigos habitantes do povoado. Como preparavam remédios à base de ervas contra doenças, algumas mulheres foram perseguidas por seus "poderes sobrenaturais".

Aproveite para conhecer a bela caverna de Zugarramurdi, que fica pertinho do museu. Era ali que as pessoas se encontravam para os rituais pagãos, com muita música, dança e comida. No dia 18 de agosto, se celebra o típico zikiro-jate, cordeiro assado na fogueira. A visita à caverna custa 3,50 euros.


França


Musée de la Sorcellerie



Os pequenos vão adorar explorar os labirintos do museu. Na Sala do Imaginário, efeitos sonoros e jogos de luzes levam o visitante a uma floresta mágica com duendes e dragões, além da torre do mago Merlin.

Em outra sala, eles aprendem sobre as histórias dos antigos sacerdotes druidas e as perseguições durante a Idade Média, como a dos cinco garotos, moradores da região, que foram enforcados em 1583, acusados de bruxaria.

No sótão, uma feiticeira revela os segredos de suas poções. Em seguida, ela acompanha as crianças até o jardim, onde eles conhecem plantas como beladona, meimendro e datura, usadas nos rituais de magia, e fabricam sua própria vassoura mágica.




Fonte:
IG Via: ArquivosDoInsolito
Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário