Assombrações do litoral paulista

 Pontal da Cruz
Quem nunca ouviu falar da mula sem cabeça, saci pererê, boitatá, a loira do banheiro, lobisomem, curupira, o homem do saco, provavelmente não teve aquela infância regada a medo e curiosidade.

Esses mitos e lendas fazem parte da cultura e estão no coletivo popular. São tão importantes para a história da população que ganhou até um dia próprio, 22 de agosto, quando é comemorado o Dia do Folclore.

Nesta data, ainda as escolas levam informações e causos para as crianças e assim, essas ‘estórias’ se perpetuam por gerações e mais gerações.

A melhor definição de Folclore é o conjunto de práticas, histórias, tradições e formas de pensar que pertence a um determinado povo, foi disseminado oralmente e resistiu ao tempo.

Muito contado nas áreas rurais, no Litoral Norte ele também tem vários adeptos e enredos variados para todos os gostos. Aqui, tem do “Buraco do Bicho”, em São Sebastião, à “Gruta que Chora”, em Ubatuba, passando pela “Pedra da Freira”, em Caraguatatuba, chegando à “Água da Saúde”, em Ilhabela.

Um contador de causos e lendas na região é o historiador Edvaldo Nascimento, que no alto de sua memória relata ‘estórias’ que já se transformaram em livros e continuam passando para novos ouvintes a cada encontro.

Uma dessas lendas é a da “Toca ou Buraco do Bicho”, localizada na rodovia Rio-Santos, em Guaecá. Conta a lenda que lá vivia uma serpente que comia todos que por ali passavam. Vários padres foram benzer o local, mas também eram degustados.

A história chegou em Ubatuba onde o Padre José de Anchieta, com dó da população, foi a São Sebastião dar um jeito no bicho. Esperto, ele se amarou em uma corda e ficou acima da entrada da caverna, de onde chamou a cobra.

“No momento que ela saiu, ele jogou a água benta. O animal fugiu para o mar e no caminho expeliu todas as pessoas que comeu ao longo dos anos e depois desapareceu”, relata Nascimento.
Nesta mesma toca há outra lenda, do padre que pedia carona ao entardecer para quem seguia sentido Barequeçaba. Contam os antigos que no veículo ele não abria a boca e pouco depois da ‘descida’, simplesmente desaparecia do carro. Um mistério não revelado até hoje.

Na Praia Deserta havia uma figueira que os antigos contavam que era assombrada. Quem por lá passava, em especial de bicicleta, sentia alguém sentar na garupa, mas não via ninguém. Um mistério.

Nem Edvaldo Nascimento escapou. Aos 36 anos, quando retornava do Pontal da Cruz, sentiu um arrepio no braço e um peso no corpo. “Era como se alguém me empurrasse. Lembrei da minha avó falando para correr para o mar quando passasse por algo assim. Não tive dúvida. Corri como nunca corri na minha vida”.

A figueira foi cortada no final da década de 90, pois era considerada uma ameaça para aqueles que por ela passavam. Mas não teve jeito, no mesmo lugar uma nova árvore surgir e hoje se encontra firme fincada entre as pedras.

Arquipélago

Em Ilhabela, as estórias também são variadas. Uma das mais relatadas é da Água da Saúde. Diz a lenda que ao morrer um senhor idoso no Bonete, ele foi levado para ser enterrado no cemitério de Castelhanos.

Para isso, passavam pela trilha do Palhal, levando-o embrulhado em um lençol, como de costume. No caminho os homens teriam parado para beber água em um córrego na trilha e ao voltarem encontraram o velho sentado pedindo água.

Assustados, todos saíram correndo largando o coitado lá. Assim, esse córrego ficou conhecido como Água da Saúde.

Quem mora ou esteve em Caraguá com certeza já ouviu falar da Prainha onde fica a Pedra da Freira, que hoje é um dos pontos turísticos da cidade. Isso porque há uma pedra com o formado de uma freira.

Mas ali, a história é triste, pois, conforme descrito o livro ‘Causos e Contos de Caraguatatuba”, há muito tempo, em uma aldeia indígena, o índio Iuri se apaixonou pela freira que era responsável pela educação religiosa do lugar.

Um dia, ele contou à freira que iria mergulhar e buscar lá no fundo do mar uma lembrança inesquecível para ela, mas nunca mais retornou. O formato da pedra, segundo a lenda, é da freira esperando que Iuri saia do mar.

Pelas bandas de Ubatuba, as lendas são muitas, que o digam Washington de Oliveira, o ‘seo’ Filhinho, o contador oficial da cidade. Ele é o autor do livro “Ubatuba - Lendas e Outras Histórias”.

Uma delas é da Gruta que Chora, algo semelhante com a Toca do Bicho de São Sebastião,mas que traz em seu papel a jovem Marcelina que se apaixonou pelo dragão que na gruta vivia e uma noite, em seu quarto, se transformou no mais belo moço que já havia visto. Contou para a mãe o motivo de sua tristeza, que não passava.

Um dia, um monge, já sabedor do fato, esteve na gruta e aspergiu água benta. Naquele instante fez-se um violento trovão e o mar abriu-se ao meio dando passagem ao monstro que sumiu nas profundezas das águas.

Hoje, quem entra no interior da  lendária gruta, percebe cair lá de cima uma sequência de pequeninas gotas que se infiltram na areia branca e fina que alcatifa o chão.

Dizem, alguns, que são remanescentes gotas da água benta espargida pelo monge, que ainda caem, a fim de que o dragão jamais possa voltar. Outros afirmam que são lágrimas de Marcelina, que lá voltou muitas vezes, na esperança de que o dragão voltasse feito moço bonito para ficar com ela.

Assim as lendas e causos vão se perpetuando no coletivo popular e ganham novos capítulos a cada geração, a cada contador de causo que não deixa essas estórias morrerem.
Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário