Conheça Cruithne 3753, a outra lua da Terra

Conheça Cruithne 3753, a outra lua da Terra




A lua não é o único satélite natural da Terra. Aqui está o que você precisa saber sobre Cruithne 3753, a outra lua da Terra.


Todos conhecemos e amamos a lua e estamos tão certos de que apenas tema uma que nem sequer lhe demos um nome específico. Chamamos-lhe apenas Lua.
Mas na verdade a Lua não é o único satélite natural do nosso planeta. Em 1997, astrónomos descobriram que um outro corpo, Cruithne 3753, é um satélite quase-orbital da Terra.
Isto significa simplesmente que Cruithne não gira em torno da Terra numa bela elipse, da mesma forma que a lua, ou mesmo os satélites artificiais que colocamos em órbita. Em vez disso, Cruithne vagueia ao redor do sistema solar interno numa órbita chamada "ferradura".


Orbita estranha de Cruithne 3753



Para ajudar a entender por que ele é chamada uma órbita ferradura, vamos imaginar que estamos a olhar para o sistema solar, a girar ao mesmo ritmo que a Terra gira em torno do sol. Do nosso ponto de vista, a Terra parece parada. Um corpo numa órbita ferradura simples ao redor da Terra move-se em direção a ela, e então vira-se e afasta-se.
Assim que se move para longe começa a aproximar-se da Terra a partir do outro lado, e então vira-se e afasta-se novamente. De facto, as órbitas ferradura são realmente muito comuns para luas do sistema solar. Por exemplo Saturno tem um par de luas nesta configuração. Veja em seguida um video que demonstra como funciona essa órbita.




O que é único sobre Cruithne é a forma como ele oscila ao longo da sua ferradura. Se você olhar para o movimento de Cruithne no sistema solar, faz um anel estranho em torno da órbita da Terra, balançando de forma tão elevada que entra nas órbitas de Vénus e Marte. Cruithne orbita o Sol uma vez por ano, mas leva cerca de 800 anos a completar esta forma de anel estranho em torno da órbita da Terra. Veja em seguida outro vídeo.




Assim Cruithne é a nossa segunda lua. Mas como poderá isso ser? Bem, na realidade não sabemos. Tem apenas cerca de cinco quilómetros de diâmetro, não sendo muito diferente das dimensões do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, que atualmente é palco da sonda Rosetta e do lander Philae.
A gravidade superficial de 67P é muito fraca - andar num ritmo animado é provavelmente o suficiente para colocá-lo no espaço mais amplo. É por isso que foi tão crucial à Philae ser capaz de usar os seus arpões para se prender à superfície, e o seu fracasso fez com que o lander saltasse para longe de seu local de aterragem.
Apesar de pequena, se Cruthin atingisse a Terra, daria origem a um evento de extinção, semelhante ao que se se acredita ter ocorrido no final do período Cretáceo. Felizmente não nos vai atingir em breve - a sua órbita está inclinada para fora do plano do sistema solar, e os astrofísicos têm demonstrado através de simulações que, embora possa chegar perto, é extremamente improvável que nos atinja.
O ponto em que está previsto chegar mais próximo fica a cerca de 2.750 anos de distância. Cruithne deverá submeter-se a um encontro bastante próximo com Vénus daqui a cerca de 8.000 anos. Ainda assim há uma boa chance que isso acabe com a nossa segunda lua, lançando-a para fora do caminho da família Terráquea.

Cruithne não é a única


A história não termina aí. Como um bom lar adotivo, a Terra é mãe para muitos caroços rebeldes de rocha à procura de um poço gravitacional para ficar por perto. Os astrônomos têm realmente detectado vários outros satélites quase-orbitais que pertencem à Terra, todos aqui por algum tempo antes de rumarem a novas pastagens.
Então o que podemos aprender sobre o sistema solar com Cruithne? Bastante. Como muitos outros asteróides e cometas, contém provas periciais sobre como os planetas se formam. A sua órbita excêntrica é um campo de testes ideal para a nossa compreensão de como o sistema solar evolui sob gravidade. [io9]


Fonte: Ciência Online
Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário