5 Casos da Deep Web (+18)

SE VOCÊ É UM DESSES CURIOSOS QUE PRETENDEM ENTRAR NA DEEP WEB EM BUSCA DA ESCÓRIA HUMANA, este post poderá ajudar a conhecer um pouco do que se encontra nas profundezas da Deep Web. Mas lembre-se, se quiser acessar, tome todas as precauções necessárias.



1. TORTURA POR ENCOMENDA

Você já assistiu “O Albergue” (The Hostel, 2005)?  Se sim, deve ter percebido o quão asquerosa é a idéia que o filme apresenta. São seres humanos que são sequestrados e posteriormente vendidos para riquinhos que querem satisfazer seus desejos de torturarem até a morte outros humanos.


Na ficção, como um filme de terror, isso pode ser muito legal perante os fãs do gênero, entretanto, o que você diria de casos reais? Poucas pessoas sabem que Eli Roth, o diretor e roteirista de The Hostel baseou o filme em casos reais identificados pela polícia de Nova Dehli, India. Depois de intensa investigação a polícia descobriu o que se acredita tratar de um clube secreto, aonde ricos e poderosos vinham de todas as partes do mundo com o intuito doentio de realizar seus prazeres demoníacos. Crianças e adolescentes, descendentes de famílias miseráveis que viviam abaixo da linha da extrema pobreza eram vendidos por seus pais e condenados ao terrível destino.

Em países da Asia, Africa e Europa Oriental, aonde a pobreza impera e as leis e vigilância são poucas, esse tipo de crime é facilitado. Assim como no caso de Nova Dehli, na Tailândia foram descobertos casos semelhantes. E adivinha como é que essas informações chegavam aos seus clientes? Sim, por ela: A DeepWeb! Mas não da maneira que suponho que você esteja imaginando. Os responsáveis tinham um forte esquema montado. Você, eu, ou seja lá quem for, mesmo acessando a Deep, não consegue ter acesso à essas páginas. Somente convidados recebiam a senha. E essas pessoas só recebiam a senha depois que começavam a procurar por esses atos imundos na Internet. Então, os mafiosos detectavam o cliente em potencial e investigavam a vida do sujeito. Se ele tinha mesmo dinheiro para arcar com as despesas (acredita-se que fosse na casa dos milhões por pessoa ), os criminosos entravam em contato com o sádico e ofereciam o serviço. Após a confirmação de compra, o riquinho recebia uma senha e um download de um software que permitia a decodificação da page, dando acesso às informações e também, possibilitando que o mesmo escolhesse sua vítima.

2. FÓRUNS DE CANIBALISMO

Em 2003 um caso chocou a Alemanha e foi noticia no mundo todo. Um canibal confessou em um tribunal ter matado e comido uma pessoa a pedido da própria vítima. O “Canibal de Rotenburg”, como ficou conhecido, diz ter conhecido a vítima e combinado como tudo seria feito através da internet. Uma investigação da policia levou a uma rede de fóruns de canibalismo escondidos na DeepWeb. “Cannibal Cafe”, “Guy Cannibals” e “Torturenet” eram páginas usadas pelos canibais para marcar encontros e selecionar vítimas para a prática de canibalismo.


Nesses fóruns rolava de tudo, desde fotos e testemunhos de canibais até receitas para o bom preparo da carne humana. Mas o pior, certamente, eram os voluntários. Isso mesmo, tinha gente que se inscrevia para ser “comida” literalmente. Alguns, não por inteiro, apenas certas partes do corpo. Outros, todavia, viravam o prato do dia. Não, não tente entender, a idiotice humana desconhece limites. Quando você pensa que já viu de tudo, eis que aparece a DeepWeb.

3. PORNOGRAFIA GROTESCA

Todo tipo de pornografia rola na Deep. É uma bizarrice pior que à outra, tão bestial e repugnante que faria até o Marquês de Sade parecer um amador! O pior entre elas, sem dúvida, é as Child Porn, famosa pedofilia, que tem aos montes e revoltam – nota: eu queria ganhar na Mega da Virada para poder comprar uma armadura e uma katana e sair pelo mundo caçando esses lixos pedófilos!  Sério, acho que um policial federal tem que ter muito autocontrole quando encontra com gente assim.


As imagens as quais você se depara na Deep são de vomitar. Certa vez, em um desses fóruns de discussões gerais que frequento, um membro abriu um tópico chamado “Challenge”. Dentro tinha apenas um link. O link leva para um site, sem qualquer estrutura, apenas uma lista de diretórios. Em 5 minutos o tópico tinha mais de 200 comentários com xingamentos e ameaças ao usuário. Tinha gente que disse que iria descobrir aonde o usuário morava, mesmo que isso custasse todas as economias dele. Tinha cracker que falou que passaria noites e dias em cima do computador para rastrear a origem do site e que mandaria direto para o governo. E tudo isso porque, segundo o que falaram, dentro de um diretório chamado “Yellow Pumpkin” havia centenas de imagens de Child Porn da pior espécie, tanto que alguns usuários queriam juntar forças para encontrar o autor do site.  Por sorte, não vi, todavia, quem viu disse que eram imagens que você não esquece nem se perder a memória. Foi tão chocante para maioria das pessoas que algumas disseram que precisariam de tratamento psicológico depois de ver aquilo. Esses é um dos meus receios da Deep: você está lá na boa, curtindo um papo cabeça com membros de um fórum aparentemente inocente, de repente, do nada, aparece um infeliz e publica algo assim. Se você não estiver atento, clica e termina traumatizado. Por isso fica a dica: deepeiro de primeira viagem, não busque o que não deve e não clique em nada duvidoso e se clicar em um link com redirecionador, saia rapidamente do site, se não conseguir, desligue o computador antes que você possa ver qualquer coisa!

4. ASSASSINOS CONTRATADOS
Sicários brotam por todos os cantos da DeepWeb. Encontrá-los não é uma tarefa fácil mas o fato é que existem muitos e oferecendo os mais variados serviços. A maior parte é da Europa Central e Ásia e tem seus preços definidos por méritos e alvo. Méritos é referente aos alvos já executados com sucesso, ou seja, quanto mais alvos executados, maior a confiabilidade e consequentemente, o preço.  A outra classificação de preço é o tipo de alvo. Normalmente, pessoas comuns são as mais baratas. O preço aumenta com a posição da pessoa diante a sociedade e dificuldade para executar o alvo. Quanto maior a fama e contato com o público ou a dificuldade de eliminar o alvo, maior o preço. Por exemplo, um político tem uma vida pública bastante ativa, desse modo, será mais caro. Já um militar tem treinamento com armas e pode apresentar riscos para o assassino, logo, também é mais caro.

Poucos sicários foram descobertos. Um caso famoso foi um francês de iniciais A. J. que foi preso na Bulgária. Ele oferecia o serviço na  DeepWeb e terminou sendo rastreado pela Interpol. Como não foi possível provar a sua atuação, terminou sendo solto. Os comentários nos fóruns da Deep é que os melhores sicários são absurdamente difíceis de achar. Seus sites ficam nas ultimas camadas e você só encontra por indicação de alguém que já foi cliente.

5. GRUPOS EXTREMISTAS

Grupos extremistas já existem na Surface, o que muda para Deep é o número e a forma como agem. Na DeepWeb, os extremistas que disseminam todo tipo de preconceito, na maioria das vezes, optam por fóruns bloqueados, nos quais o usuários passa por diversos testes para entrar. Há crackers atuando junto com esses grupos e pode ter certeza que a sua vida vai ser vasculhada por inteiro antes de você por os olhos no que está escrito em algum desses fóruns.



Existe também os mais amadores. Esses não tem cuidado algum, porém, não deixam de serem violentos. Reúnem membros para marcarem ataques às suas vítimas, mostram imagens dos seus feitos – como, por exemplo, vídeos de grupos atacando judeus nas ruas –  , apresentam teses sem pés nem cabeça sobre o porquê o seu preconceito deve ser alimentado, recrutam pessoal e fazem iniciações desses recrutados. Sorte nossa que a Polícia Federal e toda a polícia internacional fica de olho nesses camaradas e cada vez mais eles param na cadeia.



Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário