Jovens apresentam paranormalidade no município de Choró/ CE





Dor de cabeça, no estômago, tremores no corpo e tonturas são sintomas relatados por jovens em Choró.

Estudantes de outra escola pública do Interior do Ceará estão sofrendo os mesmos sintomas de paranormalidade registrados entre jovens na Escola Pública Eduardo Barbosa, no Município de Itatira, em junho do ano passado. Desta vez, alunas da Escola de Ensino Fundamental e Médio Tomaz Nunes, situada no Distrito de Monte Castelo, na zona rural de Choró, outro Município do Sertão Central, entraram em transe na sala de aula e a caminho de casa, no transporte escolar.

Algumas delas confirmam a experiência. Outras se recusam a comentar sobre o fenômeno. Os casos surgiram há uma semana. Conforme relatos dos colegas, sete delas passaram praticamente pela mesma experiência. Uma das adolescentes, Arnilaine Batista Sousa, de 15 anos, ainda está com os membros inferiores parcialmente paralisados.

"Milita", como é tratada pela família, disse que os primeiros sintomas foram dor de cabeça, no estômago, tremores no corpo e tontura. Praticamente os mesmos relatados pelas alunas de Itatira. De acordo com a estudante, os médicos não deram explicação para a doença súbita. Mesmo encorajada pelas colegas, ainda está muito assustada.


Mal súbito

A mãe de "Milita", Francisca Inez Batista dos Santos, também está preocupada. Das alunas afetadas até agora, sua filha é a única a não ter o quadro revertido após o mal súbito, como define o fenômeno. Para ela, tudo não passa de nervosismo, após um veículo derrubar parte do muro da escola.

Com o barulho do muro caindo, algumas meninas ficaram assustadas. Com "Milita", a caçula entre as mulheres de sua família, não foi diferente. Mesmo assim, a mãe não entende porque a filha ainda não consegue andar direito. Ela também ressaltou a existência de doenças neurológicas na sua família.

Segundo o motorista do transporte escolar, Antônio Ferreira Miguel, quando trazia parte dos alunos de volta para casa, algumas meninas se sentiram mal dentro do veículo. Começaram a reclamar de gastura e moleza nas pernas. Preocupado, parou o caminhão na porta da casa de amigos.

As estudantes foram retiradas pelos braços. Somente após melhorarem, seguiu viagem. Uma delas lhe confessou ter passado a mesma aflição na escola, dias antes. Teve até "visagem de espíritos". Ele se refere a Vanessa Pereira de Sousa, aluna do 8º ano.

A estudante confirma o episódio. Ela acredita ter entrado em transe. Nunca havia passado por tal situação, nem parecida. É católica. Mora com os avós. São muito religiosos. Considera-se uma jovem normal. Todavia, acrescenta se deparar frequentemente com aparições de uma prima falecida há alguns anos. Dias atrás a viu novamente, circulando pela escola. Ficou assombrada. Mesmo tranquilizada pelo espírito, acabou desmaiando. Acordou nos braços do vigia do estabelecimento de ensino, Francisco Pinheiro. Ele é pastor evangélico.

O vigia e pastor atribui os casos recentes registrados na comunidade rural situada a 37 Km da sede de Choró, a "encostos" de maus espíritos. Para ele, as alunas realmente entraram em transe. Após suas orações, as "danações" saíram dos corpos das meninas. Apenas "Milita" não se recuperou. "No caso dela, falta apenas fé", justificou. Resolveu ajudar após solicitação de alguns pais. Queriam tirar os filhos da escola. Ele compara os episódios de Monte Castelo aos de Cachoeira BR, no Município de Itatira.

Quem está acompanhando todos os casos é a agente de saúde, Cleidiene Lopes. Há mais de 20 anos, assiste a comunidade. Ela atribui os sintomas sentidos pelas estudantes ao nervosismo ocasionado logo após o acidente com o muro da escola. Coincidiu com os comentários de uma aluna dizendo ter ouvido falar de "aparições do satanás". Ouviu o comentário da boca da própria filha, Sara Nelles Lemos, aluna da mesma escola. Quando escutou os relatos, a agente também passou a chorar. Suas pernas endureceram. Além de agente de saúde, ela é responsável pela Pastoral de Monte Castelo.

Para a diretora da escola, Maria Mairles Moreira, os episódios foram isolados. Não estão relacionados. Não se trata de transe. "As pessoas estão exagerando". Ela é evangélica há mais de 10 anos. Discorda da possibilidade das adolescentes terem sido possuídas. Na sua opinião, são efeitos do clima ou de alguma virose. Ela contestou as estudantes, afirmando que os problemas não ocorreram dentro das salas de aula. Descartou ainda a possibilidade da água consumida pelos alunos estar contaminada. Segundo ela, técnicos da Funasa vistoriaram a cisterna recentemente. Não detectaram nenhum problema.

O secretário de Saúde de Choró, Bianor Bernardino Silva, pretende ir à Escola Tomaz Nunes no início da próxima semana. Um psicólogo e um médico devem acompanhá-lo. O objetivo é evitar histeria coletiva. Segundo ele, um pastor está assustando os estudantes com supostas "aparições demoníacas". Disse não saber se trata-se do vigia Francisco Pinheiro. Vê a necessidade de auxiliar a direção da escola, no sentido de tranquilizar os alunos e os pais.

Itatira

Em junho do ano passado, o fenômeno paranormal registrado em Itatira. Atingiu 32 alunas e um estudante. Eram jovens entre 11 e 16 anos. Após o transe, as meninas se recuperavam e voltavam a conversar normalmente, como se nada tivesse acontecido. Para os pais, como não há um diagnóstico para o que está acontecendo, o jeito é acreditar em Deus. Especialistas e religiosos não chegaram a um consenso sobre os casos.



Fonte: RevistaCentral Via: Sobrenatural.org

Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário