Armas letais: Gás Mostarda


A primeira produção e o uso em guerra





O gás mostarda foi produzido em 1822 na Inglaterra, por Despretz e sintetizado em 1860 por Frederick Guthrie, a partir da reação entre etileno e SCl2. Guthrie notou os efeitos tóxicos da substância na sua própria pele, o gás possuía um grau de toxidez significativo.



Centenas de soldados italianos foram mortos por gás durante a Primeira Guerra Mundial em 1915

Tropa francesa usa versão primitiva de máscaras contra gás durante a Batalha de Ypres em 1915

Em 1886, V. Meyer publicou um artigo descrevendo uma síntese que produziu bons rendimentos. O gás mostarda foi conhecido por outros nomes, incluindo H, HD, Sulfeto de Bis, Lost, Mustard Sulfur e Iperita. A abreviação Lost vem dos nomes Lommel e Steinkopf, que desenvolveram um processo para a produção em massa do gás na empresa alemã Bayer AG para uso na guerra.

Alarme alemão usado para avisar as tropas em caso de ataque de gás em 1916

Soldados com mascaras de gases durante a primeira guerra mundial
O gás mostarda acabaria sendo muito utilizado como arma química pelos alemães a partir de 1916 quase no fim da Primeira Guerra Mundial e em batalhas militares na Etiópia, no ano de 1936.



Os cavalos das tropas alemãs tiveram de ser protegidas dos gases com máscaras em 1918
Cavaleiro alemão usando máscara de gás em 1917
Atualmente a utilização do gás mostarda está regulada pela Convenção de Armas Químicas (em inglês: CWC Chemical Weapons Convention) como uma substância de Classe 1, ou seja, sem outro uso a não ser Guerra química.

Oficial alemão aproveita cortina de gás para avançar com sua tropa em direção à trincheira inglesa

Equipado contra gases venenosos, soldado russo avança no campo de batalha em 1918



Mostarda de enxofre


Gás mostarda: sulfeto de bis(2-cloroetil), H e HD (códigos militares), Iperita, Lost, Mustard sulfur - Fórmula química C4H8Cl2 S - Nº CAS 505-60-2




Descrição e uso



Soldados israelenses treinam para uma eventual guerra química: mesmo proibidas, essas armas ainda existem em alguns países

A mostarda de enxofre líquida é incolor e inodora quando pura, mas tem cor marrom e cheira a alho/mostarda quando misturada a outras substâncias. Tem vários sinônimos e os mais comuns são gás mostarda, H e HD. O termo H refere-se a mostarda de enxofre não destilada ou bruta, contendo grande fração de impurezas (20 a 30% de impurezas) e a HD é a forma purificada ou destilada. O agente mostarda HT (Fórmula química C8H16Cl2OS2 - Nº CAS 6392-89-8), frequentemente denominada mostarda de enxofre, é uma mistura de 60% de HD e <40% do agente T (bis[2-(2-cloroetiltioetil]éter), com contaminantes do enxofre e impurezas. O gás mostarda foi usado na guerra, no tratamento de psoríase e na quimioterapia, porém seu uso no tratamento de câncer não teve sucesso devido a toxicidade.


Comportamento no ambiente

Ogivas de gás mostarda
As mostardas de enxofre serão degradadas por reação com radicais de hidroxila no ar, com meia-vida estimada em 50 horas Na água, a mostarda de enxofre provavelmente não adsorvê sólidos em suspensão e sedimentos.

Sintomas e sinais de envenenamento

Vítima de gás mostarda 
O gás mostarda tem uma ação vesicante poderosa, isto é, forma na pele vesículas ou bolhas com gravidade e causa dor intensa, o tratamento é muito demorado. As queimaduras com o gás mostarda podem variar de primeiro e segundo grau, podendo chegar a ser tão severas e desfigurantes como as de terceiro grau. As queimaduras severas podem ser fatais, ocorrendo à morte alguns dias ou até semanas após exposição.



Efeito do gás mostarda na pele

Efeito do gás mostarda na pele

Em contato com os olhos causa dilaceração, prurido, queimadura, dependendo da intensidade da exposição, pode provocar danos na córnea e dor severa. A inalação do gás mostarda provoca espirros, epistaxe, rouquidão, tosse seca, dispneia, se inalado em concentração elevada causa sangramento e formação de vesículas também nas vias respiratórias danificando a mucosa e causando edema pulmonar levando a pessoa a morte.

Efeito do gás mostarda na pele

Durante ou imediatamente á exposição perigosa do Gás Mostarda, os seguintes sintomas podem aparecer
- Tosse


- Sensação de queimação na garganta e nos olhos
- Olhos lacrimejantes
- Visão turva
- Dificuldade em respirar ou falta de ar
- Náuseas e vômitos
- O contato com a pele, pode resultar em lesões semelhantes às de congelamento ou queimaduras



Dentro de 2 a 6 horas após a exposição a altas concentrações, uma pessoa pode desenvolver fluido nos pulmões (edema pulmonar). A exposição pode causar efeitos retardados que podem não ser aparente visíveis em até 48 horas mesmo que a pessoa se sinta melhor ou parece bem após a remoção da exposição. Portanto, as pessoas que foram expostas devem ser monitoradas por 48 horas depois.



Soldado vítima das queimaduras do gás mostarda


Os efeitos retardados que podem aparecer durante 48 horas incluem:

- Dificuldade em respirar
- Tosse com secreções brancas e rosadas (sinal de edema pulmonar)
- Pressão arterial baixa
- A insuficiência cardíaca

O Tratamento



Não há um antídoto para a contaminação pelo gás mostarda. Nos casos de exposição a essa substância, a melhor medida a ser tomada para amenizar os efeitos tóxicos é remover o individuo do local contaminado, retirar suas roupas, ensaca-las e isola-las, lavar a pessoa com bastante água e sabão. O gás mostarda pode ser neutralizado ao reagir com cloro (Cl), hipoclorito de sódio (NaOCl) e hipoclorito de cálcio [Ca(OCl)2], produzindo compostos atóxicos.
Conclusão


Ogivas de gás mostarda

Esta é mais uma arma mortal criada pelo homem para intimidar, destruir e massacrar massas, até que ponto vai a tolerância dos homens com seu semelhante, lembrando que essa e muitas outras armas estão escondidas mas a qualquer momento podem vir a tona em uma futura guerra, Deus nos salve dessa grande loucura.

Soldado australiano examina um projétil químico em 1943: as armas químicas são um fantasma do passado que ainda assombra a humanidade.



Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário