Armas letais: Gás VX


Introdução


O Gás VX é um gás tóxico asfixiante extremamente poderoso. Desenvolvido pela Unidade Experimental de Defesa Química em Porton Down, Wiltshire, Inglaterra, no ano de 1952, o etil S-2-diisopropilaminoetilmetilfosfonotiolato, ou simplesmente VX, é 300 vezes mais forte que o fosgênio. É letal a 10 mg/min/m³ no ar, ou 0,3 mg por via oral. 

Circa 1955: Quatro funcionários da defesa civil vestindo máscaras de gás para evitar intoxicação por fumaça.

O "V" de VX significa longa persistência. Por isso, é mais perigosa e tóxica do que seus primos da variedade "G" como GA (Tabun) e GB (Sarin), que dissipam rapidamente e têm apenas efeitos de curto prazo. Na forma líquida o VX é absorvido através dos olhos ou da pele da vítima. Ele leva cerca de uma ou duas horas para entrar em vigor e os seus efeitos resultam em morte. A forma gasosa é mais mortífera do que a forma líquida, e atua quase imediatamente na vítima. 


Os efeitos são piores quando ela é inalada e a morte é um fim ao sofrimento.

Formula molecular e propriedades


O VX é um líquido incolor, inodoro, solúvel em água e altamente tóxico. Sua fórmula molecular é C11H26NO2PS e está normalmente em seu estado líquido apesar do seu nome. Suas propriedades físicas são: Temperatura de fusão: -39 °C; Temperatura de ebulição: 298 °C; Densidade: 1,008 g/mL.
Possui uma baixa volatilidade, é inodoro, extremamente tóxico e 'adesivo'. Uma forma especial que tem sido desenvolvida e é tão adesiva, que é virtualmente impossível remover a partir da superfície que está em contato. Isto o leva a ataques estratégicos sobre bases inimigas ou aeroportos, o VX permanece preso à área e tem o potencial de matar qualquer um que tente se utilizar da base ou aeroporto.

Os efeitos da exposição


As pessoas expostas a uma dose baixa ou moderada de VX por inalação, ingestão (engolir), ou absorção cutânea, podem enfrentar dentro de segundos ou horas, alguns ou todos esses sintomas a seguir: corrimento nasal, lacrimejamento, pequenos pontos na pupila, dor ocular, visão turva sialorreia e sudorese excessiva, tosse, aperto torácico, respiração rápida, diarreia, aumento da frequência urinária, confusão, sonolência, fraqueza, dores de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, ritmo cardíaco lento ou rápido, pressão arterial elevada ou baixa anormais.


Mesmo uma pequena gota de nervo agente sobre a pele pode causar sudorese e contração espasmódica muscular quando o agente toca a pele.


A exposição a uma grande dose de VX por qualquer rota pode resultar nestes efeitos sobre a saúde: perda de consciência, convulsões, paralisia, insuficiência respiratória levando à morte.


Tratamento

As pessoas podem não saber que eles estão expostos instantaneamente ao VX o que dificulta o tratamento que deve ser imediato.
A exposição ao VX pode ser tratada. Tal como acontece com outros agentes nervosos, o tratamento mais eficaz para VX é a injeção imediata da mistura das drogas atropina e cloreto de pralidoxime, que neutralizam os efeitos do nervo agente sobre o sistema nervoso periférico e ajuda as vítimas a respirarem, e diazepam que contraria os efeitos do sistema nervoso central do VX, incluindo apreensões. Os militares americanos estão equipados com kits auto-injetores contendo os antídotos. Mas a droga deve ser administrada imediatamente após a exposição ao VX. (Os antídotos podem ser perigosos para aqueles que não foram expostos).


As pessoas, que inalam o VX devem ser mantidas em locais com ar fresco. As pessoas em que a pele tiver contato com o VX terão que lavar a pele com sabão, água. Também é possível utilizar brometo de piridostigmina, antes da exposição para aumentar a resistência ao VX em caso de zonas de risco.

Pode ser ministrado o uso de um pouco de DL50 como 10mg para o ser humano. Ele atua cortando o sistema nervoso. Liga-se a enzima que transmite sinais para os nervos e os inibe. Portanto os nervos tornam-se isolados e incontroláveis. O antídoto, atropina, é uma toxina, mas isso contraria o efeito do VX, o removendo da enzima. É um agente anti-nervo o mesmo acontece com o inverso do VX, um agente do nervo. Normalmente é injetado no braço ou na coxa, mas para ataques gasosos a atropina deve ir imediatamente para o coração. Então uma proteção corporal completa e máscaras de gás são essenciais para evitar a exposição em um ataque de míssil VX.

Potencial máximo


O potencial completo do VX ainda não foi utilizado, pois é muito perigoso para usar em ataques locais com vento que pode explodir o VX de volta para a base. Este fator tem ajudado para que o VX não seja usado para mutilar nações. Se estas armas forem lançadas contra uma nação, haveria a possibilidade de um contra-ataque nuclear VX, porque é uma arma de destruição em massa que se espalha a partir do ponto de impacto matando todos em seu caminho. Esta seria contra atacada por outro, que em muitos dos casos, seria uma bomba nuclear. Os únicos países conhecidos que possuem o VX são: E.U.A, França e Rússia. A Inglaterra após tê-lo inventando abandonou o pensamento de guerra termonuclear.

Testes Norte-Americanos do VX


Na sequência da desclassificação de documentos secretos dos E.U.A de outubro de 2002, surgiu a sugestão de que tropas das Forças Armadas Canadense "15º Batalhão de Artilharia fossem cobaias nos testes de guerra química na" Operação Elk Hunt " durante os anos 60. Documentos indicam que tropas canadenses a partir do dia 15, bem como de outras unidades militares, foram expostas ao gás de nervos VX, no Campo de Teste do Rio Gerstle (GRTS), perto de Fort Greely, no Alasca.


"Elk Hunt" Fase 1 e 2 foram conduzidos simultaneamente perto de Fort Greely durante 1964 e 1965. "Operação Elk Hunt" Fase 1 foi concebida para determinar a quantidade de agentes nervos VX coletada do vestuário do pessoal percorrendo diversos tipos de terrenos contaminados. VX foi divulgado a partir de minas subterrâneas M23 detonadas em três tipos de terreno e dentro d'água. "Operação Elk Hunt" Fase 2 foi semelhante mas acrescentou veículos percorrendo o terreno contaminado. Foi reportado que os canadenses conduziram 5 de 35 tentativas.

Roupa borracha butílica e Máscara de gás M9A1 em 1964

Conclusão


O gás VX é apenas uma de muitas ameaças ao meio em que vivemos, o risco de extermínio da vida é muito alto, tendo em vista a vasta produção de armas altamente destrutíveis usadas em larga escala para extermínio de massas, enquanto nenhuma nação se mobiliza a atacar, as coisas vão caminhando apenas em produção, mas se de uma hora pra outra explode uma guerra, quem poderá conter a agressividade humana?




Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário