Vila reaparece após passar 25 anos submersa


Na década de 1920, uma vila turística chamada Villa Epecuen estabeleceu-se ao longo da costa do Lago Epecuen, um Lago Salgado com cerca de 600 quilômetros a sudoeste de Buenos Aires, Argentina. O lago Epecuen é como a maioria dos outros lagos em montanhas, com exceção de uma diferença importante. Tem altos níveis de sal, só perde para o mar morto e tem dez vezes mais sal do que qualquer oceano.

Imagem da década de 80 da vila


Poderes terapêuticos do Lago Epecuen são famosos há séculos. A lenda conta que o grande chefe Carhue "Vale verde" ou "coração puro" foi vítima de uma misteriosa paralisia e se cura ao banhar-se nas águas da lagoa formada pelas lágrimas de dor de sua amada Epecuen "Primavera". (Trecho de outra fonte)

Dizem que as águas do lago tem o poder de curar depressão, reumatismo, doenças de pele, anemia, e mesmo tratar a diabetes.



Pelo final do século XIX, os primeiros moradores e visitantes começaram a chegar a Villa Epecuen e a montar barracas nas margens. 
A Vila transforma-se de uma sonolenta aldeia na montanha para um animado resort turístico. A jovem aldeia tinha uma linha férrea ligando-a a Buenos Aires.
Em pouco tempo, turistas de todo o continente sul-americano e do mundo a visitavam, e na década de 1960, mais de 25.000 pessoas vinham por ano dar um mergulho nas reconfortantes águas salgadas. A população da cidade atingiu um pico na década de 1970 com mais de 5.000 habitantes. Quase 300 empresas prosperaram, incluindo Hotéis, pousadas, spas, lojas e museus.



Naquele mesmo tempo, um evento climático de longo tempo estava levando muito mais chuva do que o habitual para as colinas circundantes durante anos, e o Lago Epecuen começou a encher. Em 10 de Novembro de 1985, o enorme volume de água rompeu a barragem de rocha e terra e inundou grande parte da cidade deixando-a sob quatro metros de água. Pelo ano de 1993, a inundação continuou a engolir a cidade até ela ficar coberta por 10 metros de água.



Quase 25 anos depois, em 2009, o tempo úmido se inverteu e as águas começaram a baixar e a Villa Epecuen começou a voltar a superfície.
Ninguém voltou para a cidade, exceto Pablo Novak de 81 anos que agora é o único residente da vila.



"Eu estou bem aqui. Estou apenas sozinho. Eu leio o jornal. E sempre penso nos dias de ouro da cidade por volta da década de 1960 e 70" diz Novak.

Em 2011, o fotógrafo da AFP Juan Mabromata visitou as ruínas de Villa Epecuen, conheceu seu único habitante e retornou com essas imagens.








Na imagem acima, o antigo matadouro de Villa Epecuen, entre um caminho de árvores mortas, 4 de maio de 2011.



Norma Berg gesticula ao lado das ruínas da casa de sua família, em 3 de maio de 2011.





Uma fina camada de sal esfacelada, revela a pintura original na parede de um edifício desmoronado na vila, 3 de maio de 2011.



Um solitário habitante de Villa Epecuen, Pablo Novak de 81 anos coloca lenha no seu fogão, 3 de maio de 2011.






A estrada que leva ao cemitério de Carhue, perto de Villa Epecuen, ao pôr do sol em 4 de maio de 2011 na imagem acima.
Na imagem abaixo, um homem compara uma fotografia da vila tomadas na década de 70 com o estado atual do lugar, depois de quase 25 anos sob as águas do Lago Epecuen.










Fonte: Rusmea
Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário