Kayaku-ko - o lugar que o tempo esqueceu




Este post trata de uma exploração a um complexo de túneis, com vários "Kayaku-ko", ou depósitos de munições e explosivos, da Segunda Guerra Mundial.

Segue adaptação:



"Em algum lugar perdido na prefeitura de Chiba...

Encontrei este lugar por um acidente do acaso.
Estava casualmente navegando pela internet, enquanto pensava se não havia alguma ruína boa para explorar, quando encontro uma informação sobre um paiol de explosivos abandonado e lugares absolutamente fascinantes e não catalogados.
Beleza!
Mas ao investigar, descubro que a localização não era específica...
O que eu tinha eram apenas fotos e a partir delas, precisei descobrir o lugar, apenas pela vaga paisagem.

Comparando as fotos, consegui achar este lugar em Chiba.
Este complexo que vamos explorar, foi construído na Segunda Guerra Mundial para servir de fábrica e depósito de explosivos, sendo um local afastado e cercado por montanhas para o caso de ocorrer alguma explosão acidental.
Portanto, as ruínas são tão escondidas que foram encontradas com muita investigação e esforço.

Inicialmente, decidi avançar pelo caminho que encontrei na rocha escavada, que não estava bloqueado.

Porém, um problema surge logo em seguida.
No lugar que parece ser uma baía, há uma vila de pescadores...
E há sinal de atividade humana...




Senti o perigo e voltei o caminho...

Ao pegar o caminho mais fácil, sendo o mais elementar ao ser encontrado, não faz sentido seguir adiante. Sem esforço, não é uma exploração.

Porém, já que não se pode tomar esse caminho, me resta apenas atravessar a área densa das montanhas por uma trilha íngreme e difícil.
(Esses exploradores informais, vivem se metendo em encrenca...
As vezes precisam dar explicações a polícia por invasão de propriedade do governo ou porque algum vizinho os denunciou por "atitude suspeita", ou seja, por ficarem "zanzando" pelas áreas nem sempre abandonadas.
Há casos mais raros em que precisam ser resgatados ou serem reconhecidos no gavetão de algum necrotério... NDT)


Sendo atrasado pela subida, muito mais íngreme do que imaginava, finalmente chego a um local onde há restos de uma  construção.
Parece que o objetivo está próximo.
Por entre as árvores, aparece aos poucos a face de um prédio abandonado. Tudo indica que a construção tem relação com o que nos interessa.





Me aproximo...


...E entro no prédio...


Na estreita construção, não há nada como podem ver nas imagens.


Apenas que o lugar é o mesmo das imagens que vi pela internet.
A exploração continua...


Vasos de cerâmica, suporte de um tipo de tanque de armazenamento ou algo assim.


Avançando um pouco mais, dou com uma área mais aberta.



O local está deserto.
Apenas uma construção podre em um local tranquilo.
Seria como aquele momento, em que se encontra a parte oculta de algo totalmente corriqueiro...
No entanto, o lugar é extraordinário.


Entro no prédio...


...Por dentro, a destruição natural trata de decompor o que resta ao longo do tempo...


...A luz cálida do sol filtrado através das folhas, ilumina o interior...


...Medidores enferrujados repousam silenciosos...


...Objetos vagam errantes através do tempo...


Me dirijo à habitação do fundo.


Uma visão decadente de janelas quase sem vidros.


Quando se diz "belas ruínas", é de panoramas vistos em prédios assim, que o termo trata de expressar.


Um outro prédio. 
O estado de destruição é ainda maior do que o anterior. É apenas uma questão de tempo para que tudo venha abaixo...


Antes de que tudo se destrua, eu entro para fazer o registro.


A vista interna é de semi-destruição.



Penso que esta bela cena, em breve não será mais vista.
Quanto mais reflito, vejo o quão insuficiente é...
Deixo tudo de lado e só penso em apertar o obturador e guardar na câmera, a aparência daquilo que um dia não estará mais entre nós.
Pode ser que fotografar ruínas, nada mais seja que uma motivação oriunda de um sentimento de melancolia em preservar as memórias perdidas para a posteridade...



Sinto a obrigação de registrar a memória daqueles que tiveram uma história verdadeira e intensa.



Muito bem, há um caminho bloqueado que trata de se esconder na sombra da construção.
Parece ser a entrada para um bunker subterrâneo.



Mais uma entrada bem sucedida através de um espírito de luta e valentia!
Estou é cansado isso sim...



O interior é bem robusto.
Deve ter sido bem difícil escavar nessa rocha dura...
O túnel tem partes reforçadas com concreto.


De repente, surge um misterioso quarto no lado do caminho. 


Por dentro a situação é esta.
O quarto é coberto com concreto apenas pelo lado de fora e para evitar a umidade prejudicial a munição, por dentro o quarto é forrado com chapas de madeira compensada.
Ao que parece, se trata de um antigo depósito de munições.


Isoladores de cabos elétricos ainda fixados nas paredes, por onde a eletricidade era levada para dentro dos escuros túneis.



Me aprofundando pelo túnel e dou com este lugar mais amplo.
Qual será a utilidade desse buraco aberto no alto?


Opa! Trilhos! Ao longo de todo o túnel há os resquícios de uma linha férrea para transporte de material, com certeza, utilizando carrinhos de mina. 
Isso é o máximo! 
(Como eu disse na outra postagem sobre o trem Fuji 3100 abandonado, Japoneses adoram trens e afins.
É natural que exultem ao encontrar uma linha férrea tão exclusiva assim.  NDT)


Chegando à saída deste túnel, por onde se vê uma nova entrada muito parecida com a anterior.


A entrada para o outro complexo.


Se trata de um complexo de túneis com trilhos interligando vários depósitos de explosivos e munições.



Estas ramificações dos trilhos são espetaculares.
Cada um destes desvios leva a outras áreas.


Encontro com uma escadaria incrustada na rocha.



No alto da escadaria há um reservatório d'água.
Sigo pelo desvio da direita pois...


...O deus das ruínas, se manifesta nas curvas...


Ali surge as ruínas de um pequeno paiol em plena decadência.


Uma magnífica porta de ferro...


...Com uma magnífica maçaneta da época.




Do lado contrário de onde eu vim, há uma entrada para uma gruta.
Mais parece a entrada para uma fortaleza base do teatro de operações sul...(uma referência a Southern Operations. NDT)


Volto o caminho pelo íntegro túnel principal.


Verifico um outro paiol de um dos desvios.


Neste depósito há uma placa de madeira com as inscrições: "Oitavo paiol de explosivos"


Me apresso em entrar...


 ...Mas o colapso da estrutura está muito avançado, tornando a entrada perigosa.


De modo que volto ao túnel principal e sigo reto até chegar no lugar em que há uma bifurcação. (Nestas indas e vindas do manolo...Eu já estou perdido! Riso For NDT)


Localizei um quarto num local escuro à direita, escavado na rocha pura. Um beco sem saída...


Portanto, vou pelo caminho iluminado da esquerda e eis que surge um portão muito bem construído.


O número 6 no alto do portão, seriam uma indicação ao "Sexto paiol de explosivos"?


Sigo em frente...


E eis que logo em seguida o trecho se abre num lugar com um panorama espetacular.



Uau! O mar!
Aquela rocha pontuda, foi o meu ponto de referência ao procurar este lugar no mapa.


Uma praia particular deserta muito bonita.


Avançando um pouco mais, surge um terreno quase igual ao anterior. 
Aqui também a vista é linda com o céu claro.


Antigamente este lugar deveria ser usado para a entrada de carga, pois há os restos de uma estrutura de guindaste.


Avançando mais ainda, surge novamente um longo túnel.


Encontro um paiol muito parecido com o primeiro do começo desta reportagem.


Um tonel com as inscrições: "Terceiro paiol de explosivos". 
Mas o que será que quer dizer "Estoque d'água"?



A resposta eu acho que entendi ao entrar no paiol.
Ao que parece, neste lugar havia um tipo de aquário ou reservatório, onde colocavam água próxima dos explosivos.
Provavelmente, essa água seria para evitar incêndios.
Deixando isso de lado, há muitas centopeias caseiras...
(Aqui as explicações sobre essa "centopeia", ficam por conta do blog do Dom Escobar! Riso For  Recomendadíssimo! Riso For  NDT)


Há muito caminho pela frente ainda.


Em frente aos paióis, sempre há um poço ou similar. 
Essa água seria utilizada contra um eventual incêndio.


Em frente há um depósito com paredes grossas de concreto e uma porta pesada de ferro.



Sem querer perdi o fôlego.
O teto desabou deixando a estrutura de metal à mostra. 
Incrível existir uma construção praticamente desconhecida em um túnel como este.


Dentro do paiol há uma placa de madeira caída, mas não consegui ler as desgastadas inscrições.


No fim do túnel, surge um último paiol construído com madeira, cuja deterioração está bem avançada.




A saída deste lado do túnel foi bloqueada. 
Acontece que logo adiante havia uma fábrica de explosivos, mas nos últimos anos a construção foi derrubada para dar lugar a um novo prédio de moradia. 
Me arrependo de não ter vindo antes...

Como aqui é um beco sem saída, eu volto o caminho todo.


Saí no lugar de antes e agora registro os restos de uma estrutura de ferro.


Em direção à montanha, o caminho se divide em dois e eu avanço pelo túnel que está acima à esquerda.


E surge um outro imponente paiol.


Este lugar realmente é incrível. 
Aparecem construções uma atrás da outra como este túnel de concreto.


Encontro um lugar finamente escavado na rocha.



Então eis que surge um pequeno paiol de pedra, semelhante a um pequeno santuário.


A placa indica se tratar do "Primeiro paiol de explosivos", utilizado para armazenar detonadores e rolos de pavios.


As construções nesta área são entrelaçadas em um verdadeiro labirinto.


Entro no túnel de concreto que não havia entrado antes.


A entrada é cuidadosamente calçada com concreto, mas adiante, o caminho se torna áspero. 
O escuro caminho continua...


Avancei até o final, dando num beco sem saída. 
Provavelmente foi construído algum novo prédio aqui.


E aqui terminamos esta exploração.
Este é o quadro praticamente completo de um complexo de paióis de explosivos que o tempo esqueceu.


Por mais que tenha encontrado o lugar por acaso, as dimensões do complexo que surpreendem do começo ao fim e o charme desta instalação em ruínas, foram muito além das minhas expectativas.


É possível que existam ainda muitas ruínas como esta espalhadas por todo o Japão.
Ruínas que não aguardam a visita de ninguém, estando apenas ali em silêncio.
Eu vou continuar encontrando muitas delas...


...Enquanto houver ruínas em algum lugar.




Bônus:

O banheiro.


Uau! Aqui também há um belo banheiro no estilo que eu gosto de encontrar em lugares abandonados."


Fonte: Rusmea
Share on Google Plus

About Wesley Fernandes

0 comentários:

Postar um comentário